O Yoga do Aqui-Agora

Muitas escolas de autoconhecimento ensinam que a vida humana é feita de sabores e dissabores, que sob a nossa perspectiva não é inteiramente isenta de dor e de desgosto, assim, o mais saudável seria aprender a conviver com tal realidade do que rejeitá-la. A dor criada por nós é sempre uma forma de não aceitação do contínuo fluxo da vida, é uma forma de resistência - muitas vezes inconsciente - àquilo que é.

Mesmo sendo um processo natural da experiência humana parar para compreendê-lo mais profundamente nos ajuda a encará-lo. Nossa resistência, e sua força, depende do quanto estamos firmes em nossa base ou do quanto estamos dispostos a passar pelas transformações necessárias. É um aspecto da natureza da mente recusar o aqui-agora e se dirigir para o passado ou para o futuro, ou para os dois ao mesmo tempo, dificultando um melhor entendimento do que está realmente se passando além das nossas criações mentais. Mas quanto mais honramos o aqui-agora  menos indentificados nos perceberemos com a dor e seus efeitos colaterais.

A mente humana, individual e coletiva, contém uma enorme quantidade de dor residual que vem do passado. E para deixar de superdimensionar a dor, para si e para os outros, é preciso deixar de criar passado e futuro demasiadamente, deixando apenas o mínimo necessário para lidar com os aspectos práticos e diários. Mas como deixar de alimentar este espaço? Compreendendo com o pensar e o sentir que o momento presente é tudo o que realmente temos de concreto, fazendo do aqui-agora o foco principal do fluir da vida. 

Ao dizer "sim" ao momento presente sem esforço estaremos trabalhando a nosso favor. O momento presente pode, às vezes, parecer inaceitável e desagradável, mas é apenas aquilo que é diante de uma perspectiva maior, sobre-humana. Aceitemos para depois atuar. Seja o que for que o momento presente nos traga é confiar e trabalhar com ele e não contra ele. Façamos dele um aliado e não milagrosamente estaremos transformando nossas vidas, aqui e agora. 

Um comentário:

Priscilla Couto disse...

Perfeito esse texto. Minha grande dificuldade é manter a minha mente no presente. Estou sempre pensando no futuro e como a minha felicidade está condicionada a ele. Estou buscando conhecimento para tentar mudar isso. Grata.